quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Quem mais se mete na nossa vida?

Quando a gente se casa, vai morar junto do/a companheiro/a, tem filho, quer construir casa ou qualquer outra grande decisão, existe um exército de pessoas dispostas a se meter nas nossas escolhas, quem nunca passou por isso? Geralmente os militantes da intromissão são concentrados na família!!

Eis aqui abaixo os tipos mais comuns e como despistá-los:

- A mãe super protetora: Geralmente nossas mamães, por mais boazinhas que sejam, pouco acreditam na nossa capacidade de dar conta sozinha/o. Elas geralmente vem com o discurso: "_Eu já passei por isto..." e resume em tudo que está acontecendo, sendo a vontade dela, a única solução viável. Geralmente ela corta o que você está falando, não te deixa concluir uma explicação. Ou se não corta, ouve mas finge que não ouviu e continua apresentando argumentos que NADA tem a ver com o que você disse. As vezes é apelativa, diz que vai se matar, coisas do tipo.Nesses casos, é melhor não discutir, diz que fará como ela sugeriu e faça do seu jeito.

- O pai infantilizador: É comum com nós mulheres sermos paparicadas pelos nossos pais pois sempre fomos a "princesinha" da família. Daí quando a gente cresce e torna-se independente, a ficha deles demora a cair. Tudo que argumentamos é respondido com algo infantil ou uma risada subestimadora. O suspiro e a risadinha é essencial pra que eles se sintam pais carinhosos, mesmo quando atrapalhando nossos planos. Sugestão: Diga algo obsceno na frente deles!! huahuahaha

- A tia/ prima "experiente": Geralmente temos uma tia (ou prima, normalmente mais velha) na família que seguiu o caminho distinto das demais donas de casa: viajou pro exterior, é super independente financeiramente, tem carro, é solteira e (se diz) bem resolvida. Ela acredita ser o exemplo de mulher século XXI, mas quando você decide revolucionar também, se ela não concordar, ela apelará para o conservadorismo. Enfim, ela é super prafrentex, moderna, independente, mas se você faz o mesmo num caminho que ela considere errado, você tá errada e ela tentará te impedir apelando para "a moral e os bons costumes". Dica: Pergunte porque algo é considerado moralmente errado e não aceite "porque sim" como resposta. Brincadeira, deixe falando sozinha porque nem vale a pena.

- O "tio pavê": O tio pavê é aquele chato, pegajoso, que quer beijar suas bochechas o tempo todo (cheios de saliva, sempreeee), está sempre suado e é similar ao seu pai infantilizador. Geralmente as intromissões deles são boas porque vem acompanhadas de um envelopinho com dinheiro, então, fica mais fácil relevar. Ele te olha como a rebelde da família e acredita que tudo é somente uma fase, olha para o céu suspirando e não discute muito. Mas se ele for do tipo de discute, a dica é: como ele provavelmente é corno, toque em qualquer assunto relativo à esposa dele, pois esta é seu ponto fraco desde que contratou um novo personal trainer. (O nome "tio-pavê" vem da famosa piadinha "é pavê ou pacumê")

- A amiga teórica: Essa amiga é bem sucedida financeiramente, é politicamente correta, ecologicamente correta, ama os animais e está sempre sorrindo. Ela também acha que sabe de tudo da sua vida. O problema é que ela dá opinião sem que peçamos, ela nunca casou, nunca teve filhos, e acha que entende de tudo. Muito do que diz faz sentido somente na teoria. É daquelas que critica a postura da esposa barraqueira ao ver o ex-marido com outra, esquecendo-se totalmente que existe uma coisa chamada "sangue correndo nas veias". Solução: Faça-a provar do próprio veneno, vire fiscal da vida dela também huauhahaha.

- O primo/ tio graduado: Ele se acha a última Coca-Cola no deserto por ter uma formação a mais que o restante da família. Ele acredita que sua pós em engenharia alimentícia o tornou sabedor de todos os males da humanidade. Também acredita que você falhou na educação dos seus filhos, mas quando era jovem cometeu algum pequeno crime, usou alguma droga proibida, e hoje se acha santo. Cuidado, esse tipo de gente moralista não tem nada a acrescentar a não ser exemplo de como não agir. Dica: mande tomar no C*

- O filho ciumento: Você criou aquela criaturinha com muito sacrifício e todo amor. Você segurou o choro várias vezes na frente dele pra não parecer fraca, também deixou o pedaço de bolo pra ele (mesmo salivando), enfim, foram muitas renuncias pra que ele te visse como uma quase santa. Mas você não é, você também chora, xinga e as vezes, sente tesão. O que inimaginável na cabeça do seu pequeno príncipe. Mas você é humana, e se está pensando mil vezes antes de levar seu novo/a companheiro/a pra casa, lembre-se que a mãe é você e que os incomodados que se mudem. Dica: Não sei, não sou mãe ainda huahuahahaha Que tal vocês deixarem as dicas nos comentários? Vou adorar :)

- A velha guarda da família: Nossos vovôs e vovós são uma das melhores partes da nossa vida. Eles tornaram nossa infância mais doce, nos contavam histórias super legais e nos colocavam no colo quando nossos pais brigavam com a gente. Mas nossos velhinhos tem dificuldades em aceitar o novo, o moderno, eles sempre vão achar que você deveria lavar as roupinhas do bebê na mão ao invés da máquina, eles vão achar que seu projeto de construção é megalomaníaco e desnecessário pois na época deles não podia-se gastar tanto, eles sempre vão achar que tudo que é novo e moderno não funciona bem... Dica: Aproveite, avós são maravilhosos e quanto mais velhas nós ficamos mais difícil é tê-los




Enfim pessoal, qual estereótipo acima citado mais ocorre na sua vida? Lembrem-se que este texto é voltado a um tom mais humorístico, não levem tão a sério assim, ok? A internet precisa de algo mais leve de vez em quando. Beijos, Thainá.

Se você gostou deste texto, curta nossa página no Facebook e acompanhe 💗⇩

Um comentário:

Mensagens mal educadas não serão aceitas *