quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Vantagens e Desvantagens de ser Doceira

Nesta postagem quero elencar alguns motivos para você se jogar na tarefa de vender doces e salgados. Além de ser uma profissão tradicional e lúdica, vender doces e salgados me fez uma pessoa melhor.

Existem desvantagens, é claro, como em todas as profissões, mas, se você quer vender doces e não sabe se vale a pena ou não, fica aqui a reflexão. 

Existem outras vantagens além das que citei no vídeo, desvantagens também, mas em tudo que já trabalhei, vender doces e salgados está entre as atividades que mais me proporcionam satisfação.

Acompanhe o vídeo e deixe sua opinião: Qual a maior vantagem e qual a maior desvantagem pra você em relação ao trabalho na cozinha?



Se você gostou do vídeo, inscreva-se no nosso canal pra nos ajudar com seu incentivo 😊

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Você não é o que você tem

Estava conversando com uma amiga dia destes e embora ela tenha opiniões e ideologias muito diferente das minhas, ela se expressa bem e tem facilidade pra tocar em assuntos que nos rodeiam. 

Nós que nascemos na década de 1980 pra frente fomos educadas pra sermos lindas menininhas além do rostinho bonito (sabe a expressão: não sou só um rostinho bonito? então...).

Claro que nas camadas mais pobres da sociedade isto pode não ter ocorrido tanto, mas nos lares de classe média ou classe média baixa, foi comum sermos cobrada profissionalmente. Eu cresci ouvindo dos meus pais e até outros adultos de minha família coisas como: _Estude, trabalhe, não dependa de ninguém. Não acho que este conselho seja ruim, se eu tiver uma filha, provavelmente orientarei no mesmo sentido, contudo, crescemos dependente do capital. Crescemos incentivadas a consumir cada dia mais e com a publicidade e o marketing agindo com agressividade.

Quem de nós não chegou aos 30 e viu os amigos com filhos, casa própria, carro zero, etc e se sentiu um fracasso? Quando há reuniõeszinhas de amigos do colegial é um disputa de ego infindável. A gente fica limitada achando que por não obtermos sucesso profissional, somos a vergonha da nossa família. O que nos conforta é que isto tem sido muito comum com pessoas de nossa idade.

Neste momento ocorre uma crise mundial no mercado de trabalho. A revolução industrial, o avanço da tecnologia e da internet contribuiu demais para que caísse o número de vagas de emprego e os jovens inexperientes são os que mais sofrem com isso. Em certos países, como aqui por exemplo, os mais velhos também sofrem com o preconceito em relação a idade e aparência.

Daí sempre quem paga o pato somos nós, que somos cobradas pelo modelo perfeito de funcionária, mas nos falta vaga, incentivo, espaço. As que são mães são as que mais sofrem: exige-se que trabalhe como uma mulher sem filhos e que seja mãe como se não trabalhasse. Falta espaço para suas crianças nas universidades e nos ambientes de trabalho. Falta espaço para suas demandas na vida!

Não devemos nos culpar 100% pela falta de oportunidades boas de emprego. Claro que devemos investir em educação e profisisonalização, mas não somos o que trabalhamos. A gente sempre é importante pra alguém a nossa volta só que o dia a dia não nos deixa perceber.

Muitas pessoas buscam esse valor e esse conforto na religião. Esta minha amiga inclusive culpa o feminismo, e isto não deixa de ser um ponto de vista. Sob o meu, o capitalismo e a vaidade humana são os responsáveis. Independentemente do que realmente seja, sempre lembre do seu valor para seus pais, amigos, filhos. Você é mais do que acredita ;)

Se você gostou deste texto, curta nossa página no Facebook e acompanhe 💗⇩

domingo, 9 de outubro de 2016

Resumo dos últimos dias...

Uma das últimas postagens aqui no blog eu mencionei o fato de ter voltado a estudar. Como alguns sabem, sou graduada em Direito e agora estou estudando História e estava com muito medo de me decepcionar na faculdade, como aconteceu com a primeira.

Acontece que hoje entendo que não estava preparada na época. Talvez se eu fizesse Direito hoje me saísse melhor porque minha cabeça mudou muito. Entrei na faculdade com 19 anos e hoje, aos 29, eu comecei a ver a profissionalização com outros olhos.

A verdade que quando jovem só pensava em dinheiro e nunca havia parado pra pensar em como seria de fato estudar e trabalhar no que optei. Por conta disto acabei levando a faculdade nas coxas, mesmo vivendo no conforto da casa dos meus pais.

Hoje moro com meu marido e mesmo tendo que cuidar da casa (juntamente com ele) e trabalhar pra pagarmos nossas contas, estou me saindo melhor que na primeira graduação.

Estou apaixonada pelo curso de História e não, não são todas as matérias que amo incondicionalmente, mas 99% delas tem soado como música a meus ouvidos. Vou a aula e consigo obter uma maior concentração, entendendo quase tudo que o professor diz.

Aqui no blog não é segredo, mas evito comentar: eu amo política. Sempre gostei mas pouco entendia. Com o surgimento de páginas e canais sobre isto, ficou mais fácil de eu entender. Algumas pessoas julgam o caráter informal dessas mídias mas isto em ajudou e muito na decisão do meu curso (o que não aconteceu na primeira faculdade).

Eu evito falar de política aqui neste blog porque é um assunto muito delicado e as pessoas tendem a levar pro lado pessoal ou posicionar-se contra por ódio a nossos governantes (o que é totalmente compreensível né? rs).

Enfim... se você gosta de política também, conheça meu blog Via Esquerda, onde falo um pouco sobre minha posição política e também de História, que é o que tenha aprendido hoje em dia.

Peço desculpa pela ausência aqui no blog e na página mas é que trabalhando e estudando o tempo fica corrido. Continuo amando culinária, diquinhas femininas, dicas domésticas e tudo que eu achar interessante trago aqui pra compartilhar com vocês. Mas ao mesmo tempo quero deixar claro que há uma nova fase agora na minha vida e quero curtir cada momento porque felicidade de verdade pra mim não é um destino e sim o caminho